terça-feira, 4 de agosto de 2009

BANDAS EM CURITIBA

Oasis em Curitiba. Área Vip liberada por R$ 160, quando o preço original era de R$ 400.
(foto: dinamite on line)



-->
Recentemente, ouvi em uma rádio local, um debate muito pertinente sobre Curitiba na rota dos grandes shows. Eram representantes das bandas locais e jornalistas filosofando, sob os efeitos da euforia da passagem da simpática banda Oasis, no último mês de maio. Entre as diversas opiniões disparadas, pesou a velha máxima de que “achamos a grama dos vizinhos mais verde”, e uma frase, em especial me chamou a atenção: “As bandas estrangeiras vêm aqui só para tirar dinheiro do povo.” , uma verdadeira tragédia cômica, para alguém que lida com comunicação, mas de fato é algo a se pensar.
Alguns amigos libertários gostam muito de Raul Seixas, que não é estrangeiro, está morto e seu amigo mago ganha muito dinheiro em função daquela parceria mais do que exotérica. Qualquer artista que se preze a fazer sua obra ser divulgada e consumida pela sociedade, deve receber por isso. No exemplo citado no debate, Iron Maiden fez dois shows em um período de tempo considerado curto, Nazareth veio dois anos seguidos, e algumas pessoas consideram isso ruim, achando que a intenção é caçar níqueis. Por um lado estão certos. As produtoras de eventos brasileiras adoram estes caça-níqueis, oportunidades de faturar com artistas internacionais, prestando um serviço de qualidade duvidosa, na maioria dos casos. Temos o exemplo da decepcionante performance de público do próprio Oasis, colocado para tocar a na região Metropolitana (nada contra, mas levando em consideração preço, deslocamento e público realmente fã da banda, a escolha foi muito infeliz).
Quanto às bandas locais, resta ainda muito trabalho. Festivais e casas noturnas continuam sendo palco apenas para 40 das mais de 600 bandas da cidade. Alguns festivais acontecem (esses sim, verdadeiros caça-níqueis) e ajudam muito mais à sobrevivência das casas noturnas do que aos artistas. Boas iniciativas como o Pras Bandas, estão nadando contra a corrente, mas resistem e vão, com certeza, revelar mais excelentes nomes para a música curitibana.
Para que isso se concretize, as bandas locais precisam conter um pouco a sede de tocar somente em grandes ou renomadas casas de shows. Bairros, praças, calçadas, centros comunitários também são espaços democráticos para divulgação de bandas. Quem não é visto, não é lembrado, e o artista curitibano que for até o seu público, não dependerá somente dos produtores caça-níqueis que, na grande maioria das vezes, encaminham somente as “bandas de boutique” para os palcos.
Isso sim, seria uma revolução libertária. Paulo Coelho detestaria.

Um comentário:

Daniel Carraro disse...

Concordo,
Porém acho que o cenário do rock está muito enfraquecido. Quando vem alguém de porte parece que dá um alento e a gente lembra que é roqueiro. Eu vi o Paul Mccartney na pedreira e foi o melhor show de toda minha vida. Acho que tem que ter um balanço, a galera tem que sair da garagem e se virar. O Alan como eu já teve banda e sabe que lugar pra tocar não é fácil.