quarta-feira, 27 de abril de 2016

A Importância Do Que Não Importa



       São tempos de incertezas. Nossas certezas, antes tão sólidas, foram derrubadas pelos ventos do relativismo e do dilúvio de opiniões. As atitudes são pautadas pelos encantamentos frágeis e nocivos do culto ao Ego.  Há mercado para tudo, há preço para tudo, e para todos.  E neste caos, em meio à tantas especialidades, necessidades inventadas, superficialidades, eis que surgem as "importâncias desimportantes". 
       São as coisas ou atitudes que nunca tiveram importância real, sempre foram frívolas, mas que por algum motivo tornaram-se vitais nestes últimos tempos. Sim,  porque há um mercado para elas, criado com o surgimento da informação que haveria numa necessidade intrínseca para tal, mas que nunca foi verdade. E mesmo que verdade, nunca foi vital ou importante.
            O shampoo deve ter um elemento químico específico para deixar que seu cabelo não resseque, ou fique oleoso.  E você precisa saber o nome deste elemento ou não ficará menos do que quarenta minutos diante das centenas de opções na gôndola do mercado.  O cachorro precisa de um osso falso, uma blusa, um shampoo (melhor que o seu) uma bermuda e um plano de saúde, coisas inconcebíveis até 20 anos atrás, mesmo para os ricaços que sempre trataram seus "pets" a pão de ló.  Uma festa de aniversário, casamento, debutante, formatura precisa de uma produção hollywoodiana, que com aquele passo a passo e cerimonial todo,  mais engessa as relações do que propriamente celebra alguma coisa.
         É preciso saber o nome da planta, o nome francês do ingrediente da sua nova receita "gourmet". Se você pertence ao mundo dos negócios, ai de ti se não souber o que é um "coaching", "Target" ou alguns dos mil e quinhentos "Pês" do marketing. Mesmo que você intimamente saiba que Kotler ou Drucker não estão nem aí.
        Tornou-se importante também fazer parte de um grupo nas redes sociais, dar sua opinião, mesmo que ela seja fundamentada nas rasas informações que circulam na rede.  É importante ser solidário, feliz e compartilhar praticamente tudo o que diz respeito ao que está fazendo, e se você tiver uma criança, esse compromisso vem em dobro. Se é artista, acha-se obrigado a "catequizar" de alguma maneira para o lado do politicamente correto.  Se é religioso, precisa mostrar que está fazendo o bem e orando, realizando seus preceitos, como se Deus ou os Orixás estivessem online, te observando. E para seu azar, eles devem estar, sim.  
          As nossas certezas, antes tão autênticas estão em xeque. A beleza já foi autêntica, a inteligência já foi autêntica, até a corrupção era mais autêntica.  Diante da valorização do que, no fundo, pouco importa, nada mais nos resta a não ser tentar se desviar da futilidade óbvia que a sociedade está promovendo.  
          Quem conseguir, provavelmente não será feliz, mas será, com certeza, verdadeiro. 

           Seja Livre. 

Nenhum comentário: