sexta-feira, 22 de julho de 2016

Remakes de Filmes de Terror dos Anos 80: Saudosismo ou Falta de Criatividade?


Uma enxurrada de refilmagens levanta uma questão fundamental para a indústria do entretenimento.





Tenho observado nas redes sociais, e até mesmo no dia a dia, que os Anos 80 ganharam mais fãs ainda. Você não precisa procurar muito para encontrar algum fã dos filmes e produções da época. Dobre a esquina, encontre um conhecido com mais de 30 e, se o assunto vier à tona, pode sentar por que tem muita história das boas vindo. Debate-se de tudo, desde o comportamento , a sociedade , e claro, cinema, televisão e música, que eram muito diferentes do que temos hoje.

Se considerarmos o consumo da produção cultural, teremos assunto para uma tese gigante sobre sociologia, cultura, comportamento, política e  filosofia. Vou ficar no aspecto cultural e comportamental, para lhe poupar de um texto acadêmico e cheio de "olhares críticos aos aspectos psicosociais das produções artísticas nos anos 80" e outras esquisitices.  (até que ficou legal isso, não?). 

Mesmo entre os que não viveram os anos 80, existe uma legião de "seguidores" desta mania internética vintage (inventei isso agora, esperem eu registrar) , principalmente entre os fãs de cultura pop, que acabam conhecendo as velhas produções da Marvel, DC,  e as séries de TV por ligação e licenciamento de produtos atuais, como a inesgotável produção de séries e filme relacionados às histórias em quadrinhos acontecendo atualmente.  

Para quem gosta de Cinema,  em especial do gênero Terror, as produções clássicas dos anos 80 não podem faltar nas suas estantes, seja em DVD's , ou até mesmo em VHS, ou ainda nos seus HD's. Porém, não é difícil notar que o gênero está num processo de escassez de ideias, talvez o mais grave nos seus mais de 100 anos de existência.  E  a indústria, acaba fazendo uma aposta que certamente polemiza e mexe nesses vespeiros clássicos dos anos 80, e faz o remake destas obras. Veja comigo alguns casos recentes, e seus impactos na crítica, de maneira resumida. 

Poltergeist - O Fenômeno 

A ideia deste filme de Spielberg e Tod Hooper, lá nos anos 80 era muito mais assustadora do que hoje.  Era óbvio que a  geração Y não aceitaria a mensagem naquele mesmo formato,  de que uma vida confortável, cercada de tecnologias fosse prejudicial de alguma forma, pois hoje isso é absolutamente normal. O enredo de uma casa amaldiçoada, na época, com a presença de uma criança no set, diante de tantos efeitos monstruosos e realmente apavorantes naquele contexto fazia muito mais sentido nos anos oitenta. O palhaço do primeiro, foi muito mais assustador, inclusive. Carol Anne não siga esta luz! Não veja o remake

Evil Dead - A Morte do Demônio 

Este filme foi revolucionário sob o aspecto da direção, do suspense e do que se pode fazer com baixo orçamento. Criatividade ao extremo na obra de Sam Raimi, que no futuro assinaria também a trilogia do Homem Aranha, na minha opinião a melhor, com Tobey Maguire.  O filme original, também conhecido no Brasil como "Uma Noite Alucinante" trazia uma história perturbadora, mas com humor, pouco sangue e bastante suspense. O remake trocou os elementos de humor e suspense pelo sangue. Então tivemos, sangue, sangue, e sangue. Mas foi mantido o famoso Necronomicon, o Livro dos Mortos, cujas páginas eram feitas de pele humana, e as letras escritas com...sangue.



A Hora do Pesadelo

Vejo que os remakes não são bem vindos para o público em geral. Me parece que fãs de franquias são o principal alvo desta onda, e por isso ainda insistem nestas produções, com o objetivo de vender produtos licenciados.  Mas falta a percepção de que a essência das obras originais precisa ser respeitada. Clima, dinâmica, e os detalhes que fizeram destes filmes sucessos nas suas épocas. Em A Hora do Pesadelo, a versão atual simplesmente muda o cenário e ambiência na hora em que as pessoas estão tendo pesadelos, tirando do espectador o que era essencial nos originais: não saber se as vítimas estavam dormindo ou acordadas. Grave desrespeito com a obra original. 

E vem mais remake de A Hora do Pesadelo por aí, mas podem, com o perdão do trocadilho infame, dormir tranquilos, por enquanto.

A Hora do Espanto 

Outro filme que atualizou demais a ideia original e se perdeu. Sem citar roteiro e texto, afinal o clássico oitentista também não era um primor, mas  basta dizer que Collin Farrell teria que comer muito feijão para fazer um vampiro à altura de  Chris Sarandon. Mas ainda assim,  se você estava com saudades de ver vampiros, digamos, mais autênticos, é uma boa opção.   

O que mais vem por aí 

Além de Freddy Krueger, Pennywise também estará de volta no remake de It - Uma Obra Prima do Medo, de Stephen King. Essa é uma das marcas mais fortes do universo dos filmes de terror, por isso acredito que a produção está tomando todos os cuidados necessários para não cometer erros com sua fiel legião de fãs. Stephen King teve várias obras adaptadas nos anos 80, a maioria de maneira muito infeliz. Entre os que menos onfenderam a literatura estão justamente It, Pet Sematary, Conta Comigo e A espera de um Milagre, já nos anos 90. E dos anos 90, teremos também o remake de Entrevista com o Vampiro. 

Tributos aos Anos 80 

Mas alguns diretores e produtores optaram também em relembrar o clima da época em produções com novas histórias. Foi o caso de Super 8, numa parceria de J. J. Abrams com Steven Spielberg. Uma aventura bem roteirizada e com elementos típicos, que estão presentes também na série do Netlifx Strange Things.  São histórias de garotos que enfrentarão a sociedade da época, tentarão ser inovadores e terão o sobrenatural no seu caminho,  agravado por valentões, fast food, jeans, tênis e coletes coloridos. 

Portanto, é muito melhor termos novas histórias na já conhecida e venerada cultura pop dos Anos 80, do que arriscar em remakes que podem transformar atores, canais de TV, produtoras de cinema e outros em assassinos de boas histórias odiados pelo público. E neste julgamento, em geral os juízes são implacáveis. 

Gostou do Artigo? Compartilhe o blog, comente e discuta por aqui ou nas redes sociais, seguimos em frente! 














Nenhum comentário: