quarta-feira, 20 de julho de 2016

Saiba Porque Essas Serão As Piores Eleições Da História Americana

imagem: Reuters. 


Prévias estranhas, candidatos viáveis ficando pelo caminho, confusão política e ideológica são os novos ingredientes das costumeiramente conturbadas eleições norte-americanas. 


Não é raro invejarmos um pouco a democracia norte-americana, o engajamento, as prévias, as festas, os debates, parece que tudo é muito melhor do que aqui. E deve ser mesmo, mas há alguns detalhes que não funcionam, e neste ano, parece que, além das urnas e das contagens de votos esquisitas, os candidatos também serão um problema para as eleições americanas.

Pois bem, enquanto sofremos por  aqui com os desmandos dos nossos políticos, os dominantes e orgulhosos norte-americanos se digladiam na corrida presidencial para a Casa Branca.

Democratas

As prévias eleitorais dos dois principais partidos evidenciaram a confusão político-ideológica dos dois lados.  Nos Democratas, a já caricata Hillary Clinton não teria vencido caso o vice-presidente Joe Biden não desistisse naquele momento. A ex-Primeira-Dama e Secretária de Estado estava em maus lençóis a respeito de uma missão mal sucedida na Líbia, em 2012, quando morreram quatro americanos num ataque ao local da missão.  A sra. Clinton se defendeu bem dos republicanos e melhorou sua imagem diante da opinião pública. Depois houve o incidente com o celular pessoal, onde enviou e recebeu e-mails com assuntos de Estado, mas que também já foram resolvidos. Parecia tudo bem, mas faltava oficializar sua candidatura nas prévias do partido.

Mas eis que surge Bernie Sanders,  o senador independente pelo estado de Vermont arrecadou 26 milhões de dólares em 3 meses de pré-campanha, e praticamente sem doações milionárias, somente com eleitores doando 100 dólares cada um!  Sim, o discurso socialista de Sanders atraiu artistas, intelectuais e muito mais eleitores do que Hillary poderia imaginar. No final, a sra. Clinton conseguiu, e pode ser a primeira mulher a se tornar Presidente dos Estados Unidos da América.

Republicanos

Já no Partido Republicano, a coisa encrespou com a pré-candidatura escandalosa de Donald Trump. O bilionário, por cuja culpa você assistiu o reality show  O Aprendiz, jogou pesado nas polêmicas e na agressividade, derrubando  um a um seus oponentes, não importando se eram moderados, ricos, ou tão agressivos quanto ele. O preferido da legenda,  Ted Cruz, não resistiu e também foi derrotado. Imigrantes, pobres e as minorias americanas já estão arrepiados com a possibilidade do empresário louco tornar-se presidente. Seria o equivalente a um Requião por aqui, logicamente que guardadas as devidas proporções, pois até onde se sabe, Donald Trump nunca comeu mamonas.

Convenhamos que o partido Republicano estava mal mesmo das pernas, até um integrante da Família Bush apareceu para as prévias, talvez isso tenha ajudado Trump, quem sabe?

Carly Fiorina, ex-CEO da HP também participou das prévias pelo Partido Republicano. Ela pode até ser desconhecida do grande público, mas não para você que fez faculdade de Marketing, Administração ou algum curso correlato. No meio empresarial e acadêmico, ela é conhecida pela desastrosa fusão da HP com a Compaq,  uma jogada que não compensou os US$ 19 Bilhões e que terminou com a moça recebendo o bilhete azul.  Talvez isso também tenha ajudado Donald Trump.

As piores eleições da História 

Os americanos gabam-se da sua democracia, dos seus valores e da sua cultura. Como todo império, seu comportamento é observado e imitado em muitos lugares do planeta, seja através da imersão cultural ou das relações comerciais praticamente impostas pelo modelo de mercado. Entre tantas manias, o americano médio é muito ativo na sua participação política (isso não é imitado por aqui, perceberam como somos originais?), e geralmente aposta em candidatos de peso político e prestígio internacional, mas agora é diferente.

Ao que parece, desta vez, os norte-americanos optaram somente em olhar para o próprio umbigo.

Discurso Agressivo

Trump disparou em vários momentos, discursos nacionalistas e cheios de elementos perigosos numa sociedade voltada ao politicamente correto, e portanto com maior impacto negativo.  Imigrantes e minorias já não eram seus simpatizantes, agora não podem nem ouvir falar seu nome.  Além disso, foi cruel em muitos debates, com ofensas que, até mesmo para os padrões americanos, passaram um pouco da conta.

Querida

Hillary  é mais querida que Trump. Mas isso não é tão difícil assim. O problema de Hillary, é a imagem de quem não tem muita intimidade com o jogo do poder. Não passa segurança nem confiança para boa parte do eleitorado, está sempre ocupada, não se diverte. É uma imagem de executiva muito forte, até demais para o americano democrata,  que gosta de saber como seus políticos se divertem, o que bebem e qual time de basquete torcem. De quebra, enfrentará o machismo velado do americano tradicional, seja republicano ou democrata.

Há alguns anos, a política americana tinha Bill Clinton, Bush, Ronald Reagan, e recentemente surgiu Obama.  Chegou-se a cogitar Arnold Schwarznegger para a Casabranca.  Há uma notável diferença na atuais eleições quanto ao nível dos candidatos.  E isso está sendo percebido inclusive internacionalmente, o que pode enfraquecer as relações americanas com diversos países.

Bom, a nós, resta assistir, e continuar com o nosso circo pegando  fogo. E você o que acha? Hillary Clinton vence e será a primeira mulher a comandar os Estados Unidos? Ou Trump vence e eles se tornarão um gigante programa "O Aprendiz"?  É esperar pra ver!








Nenhum comentário: